7

Coxa, é garra, é força, é tradição!


Contada pela voz de quem viveu, a história fica bem melhor. E é por isso que convidei Felipe Ribeiro, amigo que conheci pela internet, já que participou do Foto Torcedor, a fazer o texto acima relatando sobre como foi vivenciar o rebaixamento de seu clube em pleno ano de seu centenário e levantar a cabeça depois disso.


Coxa, é Garra, é Força, é Tradição!

O ano de 2009 tinha tudo para ficar marcado na memória do torcedor Coxa-Branca! Afinal, era o ano em que o Coritiba Foot Ball Club completava 100 anos de vida, o maior detentor de títulos estaduais, o único time da capital que é 'sangue puro', já que nunca viveu de fusões!

Logo no começo do ano, o Coritiba viu seu maior rival, o Atlético Paranaense, levantar o caneco de Campeão Paranaense. Pra nós coxas brancas, nos restou a doce lembrança da vitória de 4x2 contra o Atlético em plena Arena da Baixada.

Nossa esperança, agora recaía sobre a Copa do Brasil, título inédito e que dá direito a vaga na Libertadores do ano seguinte. Começamos bem, eliminando times de pequeno e médio porte como Holanda/AM, logo na primeira fase. Na segunda rodada, o primeiro osso duro: o Bahia. Classificação conquistada com dois empates. Veio o CSA/AL e aplicamos duas sonoras goleadas: 4x0 em Maceió e 3x0 em Curitiba. Nas quartas de final, um time que costuma engrossar o caldo, quando joga com o Coritiba: a Ponte Preta. No primeiro jogo, em Campinas, um empate por 2x2. A classificação para as semi-finais veio no jogo de volta, no Estádio Couto Pereira. Vitória por 1x0 com um gol do argentino Ariel. Chegávamos a uma semi-final de Copa do Brasil pela terceira vez (curiosamente, nas três vezes enfrentamos clubes gaúchos). Nossa esperança renascia!

O adversário era o todo poderoso Internacional, clube que também completava seu centenário no ano de 2009. O primeiro jogo, foi em Porto Alegre. O Coritiba saiu na frente com Marcos Aurélio, mas acabou cedendo a virada e saiu derrotado por 3x1. Para a partida de volta, precisávamos de uma vitória por 2x0. O clima era de festa, de alegria, de energia positiva! A torcida alviverde criou um dos mais belos espetáculos já proporcionados por torcidas no Brasil: o Green Hell, que é a festa que a torcida faz usando sinalizadores de maneira sincronizada, criando um clima espetacular para o Coritiba, e que vira um tormento para os adversários. Ao final da partida, vencemos por 1x0. Saímos derrotados no placar agregado, mas saímos de cabeça em pé, saímos orgulhosos por torcedor pelo Coritiba Foot Ball Club.

No Campeonato Brasileiro, fomos da glória ao fracasso. Vencemos os chamados 'clubes do eixo', nos jogos em Curitiba: Flamengo, São Paulo, Palmeiras, Internacional, Grêmio. No 2º turno, recebemos o Atlético/PR, maior rival, na partida no Estádio Couto Pereira! Jogo sensacional, com a vitória alviverde só saindo aos 47 minutos do 2º tempo.

6 de dezembro de 2009.


Nesse dia, o Coritiba selaria seu destino na Série A 2009. Se vencesse, escaparia do rebaixamento em pleno ano do centenário. Se fosse derrotado, amargaria a 2º divisão no ano de 2010. O empate, combinado com uma derrota do Botafogo no Rio de Janeiro, poderia significar a salvação alviverde.

O Fluminense abria o marcador no Couto Pereira, com um chute de Marquinhos. Ainda no primeiro tempo, Pereira empatava para o Coritiba e acendia a esperança verde e branca.

Empatamos! O empate nos rebaixou para a segunda divisão, em pleno ano do centenário. A dor da queda, só não foi maior pelas cenas que viriam a seguir. Torcedores, revoltados com o rebaixamento invadiram o campo e entraram em choque com a Policia Militar. Resultado: O campo, onde tivemos tantas glorias, onde comemoramos tantos títulos, virou uma praça de guerra. No final: o CORITIBA sofreu a maior punição da história do Futebol Brasileiro. Perdemos 30 mandos de campo, que depois, foram reduzidos para 10 jogos; tivemos nosso estádio interditado pelo STJD e pior, ficamos taxados como bandidos, marginais!

Começava o ano de 2010. As dívidas eram incontáveis! O prejuízo financeiro que a queda e a invasão causaram era avassalador nos cofres do clube. O time, que por muitos, começava o ano desacreditado a até mesmo, se manter na Série B, conquistou sua primeira conquista: Campeão Paranaense de Futebol, vencendo o Atlético Paranaense por 2x0 no Estádio Couto Pereira.

O Coritiba, optou por mandar os 10 jogos de punição na cidade de Joinville/SC. Em todos os momentos, a torcida se fez presente e o Clube, que remava contra a maré e ia contra todos os prognósticos pessimistas, fazia boa campanha no Campeonato. No sábado, após 4 meses longe do Estádio Couto Pereira, voltamos pra casa! A emoção ao entrar no Couto Pereira, foi indescritível. Um misto de sorrisos e lagrimas, tomaram conta dos torcedores. Ao final da partida, vitória por 2x0 sobre a Portuguesa.

Ao final deste ano, juntos, colocaremos o Coritiba em seu devido lugar, no lugar de onde nunca deveria ter saído: A PRIMEIRA DIVISÃO! Os jogadores fazem sua parte dentro de campo, jogando com raça e amor ao manto centenário, na arquibancada, cantaremos e incentivaremos os 90 minutos! Juntos, nós podemos fazer a diferença!

O Coritiba é eterno. O amor que o torcedor coxa branca tem pelo Clube, é eterno, é chama que arde no peito, é chama que não se pode apagar! O início e o fim em si mesmo. O Coritiba é mais do que um Clube de futebol, é um estado de espirito que não tem explicação!

Nada, nem ninguém apaga esse amor que temos pelo Coritiba! Jamais nos calarão!

CORITIBA, ÉS MINHA VIDA, MEU GRANDE AMOR!

Felipe Ribeiro.

7 comentários:

Carla comentou:

Amor ao futebol, muito bem escrito esse texto.
Aprendi a gostar mais dessa paixão mundial que é ver a bola rolar no gramado , com meu ex namorado (rimou), o namorado foi, mas ao menos eu hoje leio com gosto e me interesso, apesar de não ser fanática. No ano de 2009 eu acompanhava bem os campeonatos, principalmente o brasileirão e me lembro de perguntar ao meu ex o motivo do Coritiba ter esse apelido de Coxa.
Parabéns pelo post apaixonado.

21 de setembro de 2010 20:32
nelson comentou:

http://sugois.blogspot.com/
massa seu blog

21 de setembro de 2010 20:33
James Rocha comentou:

Espero que façam bonito, vejo times que subiram e que são apenas "3 pontos garantidos"

21 de setembro de 2010 20:34
Arthur Andrade comentou:

Cara, aquela imagem ilusra bem o porque de eu não ir em estádio.[
Sacanagem brigar por time. Falta do que fazer.


__________________________________
http://centraldastiras.blogspot.com

21 de setembro de 2010 20:37
Í.ta** comentou:

caetano,
muito muito legal tu abrires espaço para depoimentos assim.

parabéns a ti e ao torcedor do coxa. belíssimo texto.

abraços.

22 de setembro de 2010 00:43
1234 comentou:

Carla, o motivo do Coritiba ser chamado de Coxa e seus torcedores de coxa branca é porque em um AtleTiba, no ano de 1939, o ainda torcedor Jofre Cabral e Silva que depois se tornaria presidente do C.A.Paranaense, exaltado ao extremo, começou a berrar com o zagueiro Hans Breyer, do Coritiba, chamando-o de “quinta-coluna”, percebendo que Breyer não lhe dava ouvidos começou a gritar incessantemente: “Coxa-Branca, Coxa-Branca”.

O apelido acabou pegando e, em um primeiro instante, todos os Alviverdes ficaram incomodados. Com o passar do tempo, porém, ele foi assimilado e até hoje a expressão Coxa-Branca é utilizada para se falar dos torcedores e jogadores do Coritiba, que em razão disto também é carinhosamente chamado de “Coxa” por todos que a ele se referem.

22 de setembro de 2010 00:49
Fabiano comentou:

essas cartas que declaram o amor do torcedor pelo seu time são belas mesmo.

22 de setembro de 2010 15:32

Postar um comentário